Em Anápolis, Marconi promete obras que já deveriam estar prontas e se defende de acusação de Caixa 2

Neste final de semana, sem muito alarde, Marconi Perillo veio à Anápolis com sua esposa, Valéria Perillo, para uma cerimônia de casamento. Sua breve entrevista ao final da cerimônia serviu apenas para que o governador do estado detalhasse projetos que já estão na conta do governo há anos, alguns há meses e que já deveriam estar concluídos. Ele é amigo pessoal do ex-prefeito de Pirenópolis, Rogério Abreu Figueiredo, que casou o filho no último sábado.

Conforme citou, ele iniciou “novo circuito” por Goiás para lançar sua vitrine Goiás na Frente, projeto que, segundo vem sendo veiculado, pode ser o trampolim para que Jose Eliton se lance candidato ao governo em 2018. Conforme pontuou, Anápolis será uma das cidades mais bem contempladas pela proposta, com um convênio de R$ 10 milhões firmado entre Marconi e Roberto Naves.

“Estamos trabalhando também para resolver definitivamente o problema de água, no Piancó. As obras do Centro de Convenções que estão sendo retomadas para serem concluídas, o Aeroporto, o Anel (Viário) está praticamente pronto. Santa Casa (de Misericórdia), o Hospital de Urgências nós vamos concluir também neste ano sua ampliação. Enfim, tudo o que está na agenda para Anápolis nós vamos concluir nos próximos dois meses”, afirmou, conforme vem repetindo para a população.

Perillo ainda se defendeu de recentes acusações e veiculações na imprensa que seria peça-chave em um esquema de corrupção envolvendo a Delta Construtora. “Primeiro, não houve citação nenhuma em relação a propina. Houve citação em relação a possível caixa 2 em campanha. É muito diferente”, especificou.

Ele afirma estar tranquilo de conseguirá provar sua inocência: “Essa delação vai cair por terra, até porque os delatores falam coisas distintas. Cada um fala um a coisa. Eu vou na semana que vem dar uma entrevista em que eu vou esclarecer estas coisas, porque eu tenho toda a tranquilidade em relação às minhas campanhas, todas, principalmente em 2010 e 2014, que foram todas legais, aprovadas suas regularidades integralmente pela justiça eleitoral”.

A relação com Roberto Naves foi evidenciada pelo chefe do Executivo Estadual. Marconi vê com “naturalidade” que Naves repita por onde vá que pode municipalizar a água caso o serviço da Saneago não esteja satisfatório na cidade, mas garante, mais uma vez, que água não será problema para a comunidade anapolina.

“Tenho muito respeito pelo Roberto, pelas opiniões dele. Mas nós temos todas as condições de resolver de vez este problema e ele está sendo muito cooperativo neste sentido. Eu estou destinando parte do dinheiro da CELG inclusive para a conclusão do sistema de água daqui de Anápolis”, anunciou.

Marconi Perillo ainda justificou, sem apresentar uma explicação concreta, os motivos que levaram a Superintendência de Administração Penitenciária de Anápolis a transferir quase 600 presos de Aparecida de Goiânia para Anápolis.

“Não foi uma questão de governo não ter dado posicionamento. Nós tínhamos a possibilidade de uma guerra muito feia entre facções que estão no presídio de Aparecida de Goiânia. Tecnicamente, o comando do presídio tomou a decisão de transferir parte destes presos aqui para Anápolis. Então logo as coisas se acomodem, eles vão voltar”, prometeu.

Filha

Recentemente, vieram à tona supostas imagens dos preparativos do casamento de uma das filhas de Marconi, Isabella Jaime Perillo. Nas fotos, um bolo gigantesco e um retrato do suposto exagero. O governador se defende.

“Postaram uma foto de um bolo que não existia. Essas bobagens. Agora, que pai que não quer casar uma filha, que não quer fazer uma filha feliz? Eu fiz uma festa para pouca gente, eu não fiz política com essa festa. E fiz minha filha feliz às minhas expensas, às custas do meu dinheiro, não foi de dinheiro do meu governo, nem do povo. Se todos fizessem como eu faço, certamente este país seria diferente”.

Notícias Relacionadas