Gestão Naves é nota zero para 10% e nota 10 para 3,33% da população

Ao completar 130 dias de gestão, Governo Municipal passa por avaliação através de pesquisa realizada pelo Instituto Voga: número de indecisos ainda reflete que anapolino está aguardando a gestão apresentar seus resultados

Henrique Morgantini

O Governo Municipal sob o comando de Roberto Naves (PTB) completou, no último dia 10 de maio, 130 dias de gestão na cidade. Com o objetivo de aferir junto à população os desdobramentos do impacto das ações implementadas até aqui, A Voz de Anápolis – em parceria com o Instituto Voga – realizou uma pesquisa de campo para medir o grau de satisfação dos anapolinos com a gestão municipal.

O prefeito Roberto Naves, em 130 dias de gestão: nota zero para 10% e nota 10 para 3,33% da população

O resultado é que 43,67% dos pesquisados desaprovam a gestão atual, enquanto que 22,5% aprovam. O número de indecisos – aqueles que escolheram a opção “não sabe/não opinou” é alta: 33,83% não souberam avaliar como anda a gestão.

Quando estratificada na qualificação que se dá ao trabalho realizado pelo gabinete, o grau de aprovação cai. Isto porque, levando-se em conta o número percentual de entrevistados que classificou o governo municipal como “Bom” ou “Ótimo”, a somatória é de 16,5%. Já do outro lado, os que estão na extremidade da desaprovação – os que classificaram como “Ruim” ou “Péssimo” – totalizam 29,84%. O sempre discutível índice de “Regular”, aquele que deixa uma resposta vaga à classificação uma vez que pode ser interpretado como uma classificação neutra ou negativa – atinge a marca de 37,5%. E 16,17% não souberam ou não quiseram responder.

Cabe, aqui, uma análise comparativa sobre as duas tabelas a fim de tornar possível clarificar o percentual do que significa o índice “Regular” para os anapolinos nesta aferição. Isto porque o índice de desaprovação à casa de 43,67% se contrapõe com a marca da reprovação por nota, ou seja, “ruim” ou “péssimo”, que é de 29,84%. A diferença fica em 13,83%. Este percentual pode representar a extração de quem, dentre os que votaram em “Regular”, analisou esta qualificação como negativa e não um índice neutro.

Notas

O questionário que foi aplicado pelo método survey a 600 anapolinos com mais de 16 anos ainda solicitou que fossem concedidas notas de 0 a 10 para a gestão até aqui. A pergunta é genérica e não especifica qualquer avaliação focada em determinada área.

Em sendo assim, somente 3,33% dos ouvidos deram a nota máxima de aprovação para a gestão Roberto Naves em seus primeiros 130 dias de governo. Para pouco menos de um quarto dos ouvidos, 22,17%, a nota é 5. E para 10% dos entrevistados na pesquisa, Roberto Naves mereceu nota 0.

Se somadas as notas de reprovação (de 0 a 4), a gestão municipal totaliza 34,49% de anapolinos que a reprovam por índice de notas. Já se somadas a aprovação por nota (de 6 a 10) o valor é de 31,33%. Neste cenário, 11,5% dos “avaliadores” não souberam ou não quiseram responder à questão.

Aprovação da Gestão Roberto Naves:

Avaliação da Gestão Municipal

Nota para a Gestão Naves

 

Governo Marconi Perillo tem 46,84% de “Ruim” e “Péssimo”

O governador Marconi Perillo passa por momento de desgaste com a cidade

O impacto da Operação Lava Jato e a chamada “lista de Janot ou de Fachin”, as obras paralisadas e com atrasos de anos na cidade e até mesmo a mais recente transferência de presos de Aparecida para o presídio inacabado de Anápolis podem contribuir com o resultado obtido pela pesquisa do Instituto Voga quanto à avaliação do Governo Marconi Perillo.

Na cidade, 46,84% reprovam o Governo do Estado (somatória dos índices de Ruim e Péssimo. Enquanto que, do outro lado, somente 17,33% aprovam (Bom e Ótimo). Os que optaram por “Regular” somaram 29,67%.

Lula lidera pesquisa presidencial em Anápolis

Alvo central da Operação Lava Jato até aqui e no olho do furacão da cobertura da mídia das principais emissoras de TV, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue liderando as pesquisas de intenção de voto. A exemplo do que já foi verificado nas quatro pesquisas de alcance nacional já divulgadas, em Anápolis Lula tem a maioria dos votos.

Lula e Bolsonaro foram os principais nomes lembrados pelo eleitor anapolino

O ex-presidente atinge a marca de 22,72%. Em segundo lugar está o deputado federal Bolsonaro. O carioca tem 16,39%. O maior índice, no entanto, ainda é o de indecisos: 24,02% afirmam ainda não ter uma definição sobre seu voto.

A ex-senadora Marina Silva (3,72%), o prefeito de São Paulo, João Dória (3,35%), e o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (2,98%), aparecem na pesquisa na sequência dos dois primeiros nomes, mas com uma grande distância. Completa o quadro, com 1,68% das intenções de voto o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Ele tem 1,68%.

O índice de votos brancos é de 4,28%. E o que chama a atenção é que, ainda há mais de um ano para as eleições de outubro de 2018, já existe um alto índice de votos declaradamente nulos: 20,86% afirmaram que não vão votar em ninguém.

Legenda – Lula e Bolsonaro

Maioria dos entrevistados é contrária à Reforma da Previdência

Motivo de diversas manifestações no Brasil e também ocorridas em Anápolis, a Reforma da Previdência vai afunilando o seu debate no Congresso Nacional na direção de sua aprovação. No entanto, no caminho oposto está a sua popularidade junto à população.

Em Anápolis, os entrevistados na pesquisa realizada pelo Instituto Voga/A Voz de Anápolis foram taxativos: são contra. Para 67,33% dos anapolinos a Reforma da Previdência como está prevista no projeto não deve acontecer. Somente 24% mostram-se favoráveis à alteração das regras para se aposentar e para contribuição à Previdência Social. Um percentual de 8,67% não sabe ou não quis opinar sobre o tema.

Na Câmara dos Deputados, dos dois deputados federais anapolinos, há um empate: um para cada lado na questão. Enquanto o petista Rubens Otoni votou contrário à reforma, o líder do PTN na Câmara, Alexandre Baldy, deu seu voto favorável às mudanças.

Metodologia

Pesquisa feita entre os dias 10 e 11 de Maio, usando a técnica de survey, que consiste na aplicação de questionários estruturados e padronizados a uma amostra representativa do universo de investigação. Foram feitas 600 entrevistas com residentes na cidade maiores de 16 anos, apresentando margem de erro de 4,5%

Notícias Relacionadas