Há seis meses sem receber, vigilantes da UEG paralisam, fazem manifestação e Governo suspende serviço

Os vigilantes responsáveis pela segurança pessoal e patrimonial da Universidade Estadual de Goiás em Anápolis chegaram ao limite. Depois de seis meses sem receber salários, os trabalhadores interromperam a atuação nos campi da cidade e realizaram uma manifestação para chamar a atenção quanto a situação. Eles impediram o acesso dos servidores à unidade localizada na BR-060.

Os vigilantes, que são terceirizados, receberam o apoio de professores e alunos que se solidarizaram com a situação dos vigilantes. Após a manifestação, o Governo de Goiás anunciou a liberação de verba para o pagamento de um único mês que está em atraso e, também, anunciou a suspensão do contrato. Desta forma, não haverá mais o serviço dos vigilantes nas unidades que ficarão desprotegidas. O serviço é considerado fundamental, principalmente para os alunos do período noturno.

Líder dos manifestantes teve conversa com estudantes explicando a situação

Na Câmara Municipal, o vereador Antônio Gomide (PT) repercutiu a manifestação e se solidarizou com os vigilantes. “Os trabalhadores precisam ser respeitados e atendidos em seus direitos mais fundamentais, que é o salário, sagrado ao trabalhador. A UEG é fundamental para o desenvolvimento de Goiás em diversas áreas e ter segurança para o estudo e o conhecimento é imprescindível”, disse. Gomide foi eleito deputado estadual para a próxima legislatura e deverá aprofundar este debate na Assembleia Legislativa.

Notícias Relacionadas