Liderança de Lula no Datafolha é resposta do eleitor à politização da Operação Lava Jato

O principal debate político no Brasil ainda não são as candidaturas ou as coligações partidárias, mas sim o nível de uso político da Operação Lava Jato, conduzida principalmente pelo juiz Sérgio Moro. A acusação de direcionamento das ações a fim de impedir o ex-presidente Lula de ser candidato ganha força com a pressa com que seus processos foram julgados e a lentidão de outros denunciados – como os senadores José Serra e Aécio Neves (PSDB) – que sequer deixaram seus mandatos.

A resposta popular sobre esta dúvida veio por intermédio da pesquisa Datafolha, publicada na última quarta-feira (31) pela ‘Folha de S.Paulo’. Ela confirma a preferência do eleitor por Lula, dando a dimensão que a popularidade que o ex-presidente tem em detrimento da contaminação do processo jurídico a qual enfrenta. Lula segue imbatível a exemplo das pesquisas anteriores do mesmo instituto e ainda de outros, como Ibope e Ipsos (ligada ao Estadão).

Lula tem 37% dos votos no primeiro turno e ganha de todos também no segundo turno. O índice é o mesmo registrado na pesquisa anterior, divulgada no início de dezembro. Quando confrontados com Lula, Jair Bolsonaro (PSC), tem 18%, Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), aparecem empatados com 7%. Já Marina Silva (Rede) fica com 10%.

Com percentuais entre 47% e 49% de intenção de votos, Lula venceria seus adversários no segundo turno contra Alckmin (que teria 30%), Marina (32%) e Bolsonaro (32%).

Expectativa

A Câmara Municipal deve recomeçar os trabalhos de 2018 em clima de eleição e mudanças nas cadeiras. Isto porque alguns representantes anapolinos poderão concorrer a cargos nas eleições de 2018. Há ainda os que podem deixar os gabinetes para assumir cargos na gestão municipal.

SED

Leandro Ribeiro (PTB), pré-candidato do PTB a deputado estadual, foi cogitado para representar seu partido no Governo de Goiás, sob o comando de José Eliton. No entanto, a resposta governista é que os nomes precisam atender a critérios políticos, mas também técnicos.

Polícia

Em mais uma ação policial no Ciretran Anápolis, seis pessoas foram presas entre servidores e despachantes. A investigação é um desdobramento da Operação Intraneus III, deflagrada em dezembro de 2017, e investiga organização criminosa em que servidores recebiam propina para realizar transferência de veículos e outros procedimentos de forma irregular.

Violência

Janeiro acabou com um saldo de 21 homicídios na cidade, de acordo com dados oficiais da Polícia Civil. No mesmo período em 2017, foram 15. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública explicou que o quadro de violência “é proveniente de situações atípicas e excepcionais, de difícil previsão”.

Celebração

A Voz de Anápolis chega, com esta edição, à emblemática marca de 100 edições publicadas em pouco mais de dois anos de atuação na cidade. Seguimos perseguindo a missão de colocar o anapolino para ser o protagonista em nossas pautas, tendo voz ativa em nossas reportagens e enquetes.

Normal?

Moradores do Residencial Copacabana, região sudoeste de Anápolis, enfrentaram mais um dia sem de água na última segunda-feira (29). O problema vinha se arrastando desde a quinta-feira (25). A bronca ficou ainda pior quando, ao ligar para a Saneago, receberam a informação de que o sistema estava operando normalmente.

Fica ou vai?

A reforma administrativa de José Eliton, que assumirá o Governo de Goiás em abril, tem a função – também – de acalmar as legendas que já negociam abertamente uma alternativa à sua candidatura. Muitos querem seguir marconistas, mas com um nome que não seja o do vice-governador.

Diálogos

A confirmação da ida de Alexandre Baldy ao PP, aliada à unção nacional dos caciques da legenda, pode mudar o cenário político em Goiás. Isto porque Wilder Morais vive sob risco de perder o comando da legenda. Com isto, Baldy poderia renegociar posições do PP nas chapas que estão se formando.

E agora?

O PTB tem uma missão: acomodar o ex-senador Demóstenes Torres dentro da chapa governista. Isto porque Torres declarou por diversas vezes que é candidato ao Senado. Com isto, aumenta a disputa, já que uma das duas vagas disponíveis deve ser de Marconi Perillo. São muitos nomes que hoje disputam o preenchimento deste segundo espaço.

Bolso cheio

A revelação dos supersalários do ex-senador petebista caiu mal para a tentativa de prestigiar Demóstenes. Como procurador, ele recebeu mais de R$ 200 mil somente referente ao mês de novembro. O MP prometeu investigar os vencimentos milionários que se repetiram em janeiro.

De novo

Marconi Perillo, aliás, anunciou – como sempre – que não pretende ser candidato e apenas comandar o processo como articulador político da campanha do PSDB e de José Eliton. Ninguém acreditou, é claro, nesta possibilidade.

Montado

O PT deve formalizar no início de fevereiro uma chapa puro-sangue para disputar as eleições de 2018. O nome de Antônio Gomide é lembrado para uma das opções de vagas. A legenda, ainda, mantém conversações com outras legendas, entre elas, o PMDB de Daniel Vilela.

Um Anapolino

Pré-candidato ao Governo de Goiás, Daniel Vilela tem dialogado com diversas legendas e vem priorizando o discurso de “ampliar o leque de representações”. E, assim, Anápolis passa a ser um dos gargalos eleitorais a serem resolvidos, onde o MDB tem grandes dificuldades eleitorais.

Base

O PSDB anapolino poderá lançar dois nomes a deputado federal da velha guarda. São eles Ridoval Chiareloto e Adhemar Santillo. Ambos devem trabalhar para conquistar uma boa votação para José Eliton na cidade.

Depende

Geli Sanches e Lisieux Borges podem ser dois nomes petistas da Câmara Municipal a disputar um mandato na Assembleia Legislativa. “Tudo depende da configuração do partido e dos espaços que podem ou não se abrir”, afirma, enigmático, um dirigente da legenda. Gomide, por outro lado, é lembrado tanto para a Assembleia quanto para ocupar um espaço na disputa majoritária.

Decidido

Roberto Naves bateu o martelo: se depender ele, irá apoiar José Eliton à reeleição para o Governo de Goiás.

De olho

Dom João Wilk, Bispo da Diocese de Anápolis, assinou um comunicado alertando aos fiéis católicos de um golpe aplicado por jovens: eles visitam residências em nome da diocese, pedindo ajuda financeira para determinada igreja. Segundo Wilk, as igrejas só pedem contribuição a fieis que frequentam as paróquias.

Murchou

Os números da pesquisa Datafolha divulgados na última quarta-feira (31), desanimaram o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que havia se lançado pré-candidato à Presidência. Meirelles aparece com apenas 2% das intenções de voto no seu melhor desempenho.

Discordando

A pesquisa Datafolha – a primeira de 2018 – traz a resposta da população brasileira em relação ao discurso de Meirelles e de Temer de que a Economia está reagindo e atinge índices de prosperidade.

Opinião

O advogado criminalista Antônio Carlos Castro, o Kakay, assinou artigo na Folha de S. Paulo afirmando que o “STF pode muito, mas não pode tudo”. Kakay rebateu a declaração de Carmen Lúcia sobre o STF se apequenar sobre o debate de prisão em 2ª instância: “o debate da liberdade nunca se apequena”.

Recomeço

As sessões plenárias da Câmara Municipal retomam os trabalhos em 2018 na próxima segunda-feira, dia 05.

Notícias Relacionadas